sábado, 30 de janeiro de 2010

MEDIDAS DE CONFORTO E SEGURANÇA DO PACIENTE - E6N

O conforto e a segurança constituem-se também em uma das necessidades básicas do ser humano e podem manifestar-se pela necessidade de proteção diante de perigos físicos, ameaças psicológicas e dor.
A enfermagem tem um papel importante durante a hospitalização do paciente para promover ou proporcionar conforto e segurança necessários diante dos riscos que ele poderá sofrer de sua vulnerabilidade física e psicológica ocasionada pela enfermidade.
Massagem de Conforto
É a manipulação sistemática dos tecidos do corpo, geralmente feita na região dorsal, para estimular a circulação, proporcionar relaxamento muscular, conforto e bem-estar e prevenir úlceras de pressão.
Os movimentos básicos que devem ser observados durante a massagem são: deslizamento leve e pesado, amassamento e fricção.
Essas manobras geralmente são feitas durante a higienização do paciente ou em mudanças de decúbito programadas.
Procedimentos para aplicação de massagem de conforto
a. Providencie o material necessário: toalha de banho e creme hidratante.
b. Verifique o produto a ser utilizado.
c. Lave as mãos e reúna o material.
d. Informe o paciente sobre o procedimento a ser realizado.
e. Abaixe a cabeceira da cama e coloque o paciente em decúbito lateral D (direito), E (esquerdo) ou ventral.
f. Sobre o pijama ou a camisola, descobrindo as costas até as nádegas.
g. Disponha a toalha no sentido longitudinal junto ao paciente, protegendo a cama.
h. Coloque pequena quantidade de creme na palma de uma mão e espalhe, friccionando uma mão na outra.
i. Inicie o deslizamento, iniciando das nádegas junto à coluna vertebral aos ombros até os deltóides, retornando pela superfície lateral.
j. Repita esses movimentos nesta seqüência: três deslizamentos leves, três deslizamentos pesados e mais três leves.
k. Inicie o amassamento na parte superior das nádegas, junto à coluna vertebral, procurando comprimir e descomprimir os músculos ritmicamente até o pescoço. Deslize as mãos comprimindo os músculos, pela superfície lateral.
l. Repita o amassamento do outro lado.
m. Mantenha sempre as mãos sobre a pele do paciente e faça três deslizamentos leves.
n. Una os dedos e realize movimentos conjuntos de fricção nas proeminências de cada vértebra, cintura escápulo-umeral, nuca e área de incisão do couro cabeludo, costelas e crista ilíaca.
o. Recomponha a camisola ou o pijama e retire a toalha.
p. Coloque o paciente em posição confortável.
q. Anote o procedimento realizado com observações quanto ao aspecto da pele e intercorrências.
Observações importantes
• Observe com atenção as condições da pele nas regiões escapular, ilíaca e sacrococcígea;
• Antes de prosseguir, comunicar se houver eritema, edema, flictema ou solução de continuidade;
• Executar movimentos contínuos, longos e circulares e exercer pressão firme nos deslizamentos pesados e suaves nos deslizamentos leves.
PREVENÇÃO DE ÚLCERA DE PRESSÃO
Úlceras de pressão são áreas de tecido necrótico, causadas por uma interferência na circulação da parte pressionada.
A causa direta é a compressão da área corporal sobre a superfície do colchão, cadeira, aparelho de gesso etc., que pode reduzir o fluxo sanguíneo, prejudicando a nutrição e a oxigenação da área. Elas se formam com facilidade no paciente acamado e que não se movimenta.
As úlceras de pressão são quase sempre maiores que a superfície demonstrada, ou seja, muitas vezes o processo de necrose interna é maior que o visualizado externamente.
Sinais de uma úlcera de pressão
A úlcera de pressão começa com uma vermelhidão local, que evolui para inchaço com rubor e calor, adquirindo coloração arroxeada e que, posteriormente, na forma uma ulceração.
As áreas de maior incidência são as que apresentam saliências ósseas, onde não há um suprimento abundante de sangue para nutrir as partes, e aquelas em que a camada de tecido subcutâneo está muito fina e conseqüentemente, a pele fica sem a devida proteção. Das áreas mais vulneráveis, citamos como exemplos: cóccix, quadris, joelhos, tornozelos, nuca, orelhas e calcâneo.
Fatores que contribuem para a formação de úlceras de pressão:
• Emagrecimento;
• Desnutrição.
• Anemia;
• Paralisia;
• Idade avançada;
• Falta de limpeza;
• Solução de continuidade da pele;
• Obesidade;
• Distúrbios circulatórios;
• Edema (inclusive anasarca);
• Umidade da roupa de cama;
• Abafamento do local;
• Desidratação;
• Falta de cuidados adequados;
• Imobilização do paciente;
• Infecção;
• Febre prolongada;
• Portadores de equipamentos como tração, gesso e outros.
Para aplicar as medidas de prevenção de úlceras decúbito, devem ser utilizados recursos materiais como travesseiros, redás de borracha, coxins e colchão de água.
Cuidados específicos na prevenção de úlceras de decúbito
a. Conserve a pele absolutamente limpa, seca e em boas condições, livre de substâncias irritantes como urina, suor, fezes e corrimentos vaginais ou uretrais.
b. Use fraldas descartáveis ou uripen para manter a higiene do paciente.
c. Faça lavagem externa sempre que o paciente evacuar ou urinar.
d. Incentive a ingestão freqüente e regular de líquidos.
e. Preste atenção especial aos pacientes com mamas ou abdome volumosos diminua a pressão sobre as superfícies da pele e mantendo o local sempre seco.
f. Mantenha constantemente a distribuição da pressão.
g. Faça mudanças de decúbito a cada 2 horas em pacientes que não puderem se mover.
h. Conserve a roupa de cama limpa, esticada e livre de migalhas.
i. Faça uso de colchão de água, rodas de borracha, coxins, travesseiros etc.
j. Estimule a circulação do sangue geral e local, por meio da movimentação passiva dos membros e da massagem de conforto, respectivamente.
k. Dispense atenção especial às costas e às áreas de pressão.
l. Movimente o paciente com cuidado.
m. Leve em consideração o conforto do paciente durante a execução de procedimentos (por exemplo, nunca manter o paciente sobre a comadre além do tempo necessário, pois a superfície metálica e dura favorece a formação de úlceras de pressão).
n. Observe a alimentação do paciente, para garantir a oferta de uma dieta equilibrada.
Observações importantes
• É necessária uma vigilância constante quanto a alterações na pele e à identificação de pacientes de alto risco;
• No caso de úlceras de pressão já instaladas, seguir rigorosamente as orientações médicas ou do enfermeiro em relação às conditas terapêuticas.

Nenhum comentário:

Arquivos